sexta-feira, 6 de maio de 2011

Dry Martini.

Era mais uma noite como todas as outras. Sábado. Céu estrelado. Apenas algumas nuvens insistia em encobrir a lua. Janela aberta e vento soprando pela sala. Um copo entre as mãos e alguns pensamentos certamente a cercavam. Não se sabe e ninguém pode adivinhar o que seria ao certo. Aprendeu com a vida a ser discreta. Até demais. Misteriosa seria a palavra certa.



De repente roupas tiradas do cabide. Perfumes. Maquiagem. Banho tomado de toalha enrolada em seu corpo e cabelos presos ela ia delineando seus olhos aos poucos. Vez ou outra parava e se olhava como quem pensava em desistir. Mas, novamente tornava a se maquiar. Passando a sombra, rímel, blush...


Havia uma música ao fundo. Talvez fosse especial para ela. O ritmo era bonito. Era dançante, romântico, sensual, mas ao mesmo tempo triste.
Sem o relógio se dar conta ela estava sentada na sala praticamente pronta, apenas colocando belos sapatos pretos de salto alto. Estava linda. Soltou os cabelos. Borrifou um pouco de perfume. Apanhou sua bolsa e apenas suas chaves – a de seu apartamento, seu carro e saiu.


A noite era um silêncio para todos que nela se aconchegaram. Mas, para ela... Para ela que percorria pelas ruas dentro de seu carro com vidros fechados e algumas gotas de chuva fina que caía lá fora embaçando e desenhando imagens através dos vidros... Para ela, a noite fazia um barulho. Um barulho que não a deixava encostar a cabeça no travesseiro e então pintar nos pensamentos sonhos que a levassem para bem longe da hora, do dia, do momento.


Seu olhar era lindo. Olhos grandes e claros. Contornados com o lápis preto que delineava perfeitamente o desenho amendoado. Tinha um brilho. Brilho esse que refletia as cores dos faróis. Brilho de encantamento, mas ao mesmo tempo um brilho triste. Um ar meio distante. Como se estivessem ali passando aquela beleza e ao mesmo tempo submetendo à uma cena que despertava o interesse e a curiosidade de quem com ela se deparasse.


Não demorou muito para estar frente àquele lugar. Frente a luzes piscantes e coloridas. Pessoas sorrindo e bonitas. Música, dança, bancos, bebidas... O típico lugar que pessoas marcam para se divertir com os amigos. Pra relaxar e esquecer de todos os problemas e correrias durante a semana.


Dry Martini. Foi o que ela pediu ao chegar no balcão. Pessoas bonitas e atraentes chegavam para conversar. Com um sorriso simpático ela as recebia e conversava com tamanha educação.



Não demorava muito para que essas pessoas se intrigassem e se envolvessem com o mistério que ela trazia naquele olhar.


Era alguma coisa diferente. Como alguém que traz algo muito profundo. Algo que chama, que seduz, que mexe, que encanta simplesmente pela tamanha curiosidade em descobrir alguma imagem. Alguma imagem que poderia se refletir através dos olhos, que certamente ela carregava em seus pensamentos. Mas, era impossível.


As horas se passaram sem que ninguém se desse conta. Mas, para ela parecia que tinha passado anos. Alguns drinks a mais, ela tão sutil, tão leve, tão simples, elegantemente se despediu de alguns amigos. Olhou fixamente para frente como quem quisesse estar lá sem mesmo precisar caminhar. E, foi vagarosamente caminhando entre as pessoas no meio do salão.
Cabelos compridos e escuros... Corpo curvilíneo... Vestido que a deixava ainda mais indecifrável.



Ia a passos largos chegando à porta de saída. As luzes que em seu rosto refletia, a deixava ainda mais nobre. Mais bonita. Como se fossem máscaras em dias de carnaval. Como se fossem pinturas estampadas numa escultura tão delicada e ao mesmo tempo tão rústica. Tão atrativa. Tão persuasiva.


A música continuara a tocar. As pessoas continuaram a dançar. Bebidas não pararam de serem servidas. E ele lá no cantinho não parava de pensar naquela mulher. Naquela menina.


Tantas noites vem à esse lugar. Se arruma. Se pinta. Sempre a mesma bebida. Se senta sozinha e ali fica. Como se estivesse tão longe e ao mesmo tempo sorrindo e conversando tão cheia de vida.


Sua imagem seduz e alimenta tantos pensamentos. Mas nunca ninguém conseguiu perguntar, descobrir seu mistério nem se quer por um único momento.

Juliana Sabbatini

4 comentários:

Paredes disse...

O MISTÉRIO COM SEUS MISTÉRIOS...

"expresso Dry"!!!

ótimo fim de semana!

alex disse...

Ela procura... talvez a si mesma, talvez a felicidade. Talvez uma fuga da solidão ou simplesmente ser vista. Quem sabe?
Se pede um Dry Martini ela quer algo excitante com sabor de novidade.Ao mesmo tempo quer elegancia e estar atraente.
Acho que se veste de vermelho ou um preto quase enigmático. Ela causa sensações aos homens. Ela está só com sua bebida outra vez e ele sabe que ela vai voltar.
Seu perfume exala sua personalidade. Sua educação mostra um controle quase mágico, mas ela, ela vai voltar e ele vai estar lá para vê-la novamente e quem sabe lhe oferecer outro Dry Martini em outro lugar.

ps. Lindo, lindo , lindo o texto. Nao resisti ser o homem que a observar, até imaginei como ela seria rrss Deveria continuar ta lindo
beijo e nao quero de forma nenhuma usurpar seu texto, mas é inevitável nao imaginar ele oferenendo um outro drinque pra ela.

Nathy Costa disse...

http://paraneura.blogspot.com/ leia e diga se gostou gostei do seu

Camila Monteiro disse...

Nossa que profundo, me senti dancando e lendo esse conto... Delicia de ler!